Almeidas Assessoria Contábil

Blog

Liderança liberal

Liderança liberal: tudo o que você precisa saber!

Liderança liberal é uma maneira de conduzir a gestão de uma empresa de forma mais colaborativa. Nesse modelo há menos centralização das decisões e mais participação da equipe.

Dessa forma, permite-se que a equipe tome decisões com mais liberdade, pois o gestor participa apenas quando a sua presença é requisitada. Isso faz com que consiga facilitar as atividades do seu time ao fornecer as informações necessárias e estímulo aos colaboradores. 

Entretanto, é fundamental entender melhor sobre esse sistema para que você considere se essa é uma opção viável para o dia a dia do seu empreendimento. Então, confira as informações que separamos abaixo! 

O que é liderança liberal?

Liderança liberal

Essa liderança, assim como todos os modelos, direciona as ações para fatores totalmente decisórios. Mas o líder não atua o tempo todo junto a equipe para fechamento das ações.

O líder liberal acredita no potencial do grupo, e parte do pressuposto de que as pessoas possuem um nível de maturidade elevado, a ponto de não serem tão dependentes dele. Ele consegue entender que pode deixar a equipe à vontade, sem necessidade de acompanhamento constante. 

Vale ressaltar, que essa liderança não é um sinônimo para a omissão das responsabilidades do líder. Pelo contrário, seu envolvimento é maior porque, justamente, ele dá mais liberdade de decisões aos seus subordinados e tem participação ativa no desenvolvimento dessa maturidade dos seus funcionários.

Então, a equipe determina em conjunto todas as decisões que serão acordadas. Assim a liderança fica bastante flexível dentro da empresa e o líder só participa quando é solicitado e assim opina sobre o planejamento da equipe. Desta maneira, é um modelo que fica concentrado na equipe, sendo todos líderes e liderados, tirando o foco de deixar o poder para apenas uma pessoa na empresa.

Quais são as principais características da liderança liberal?

1 – Confiança no gestor

Por ter mais autonomia, o colaborador acaba criando um vínculo de mais confiança com o seu gestor. Assim, a empresa como um todo passa a ter um relacionamento de capital humano, o que gera mais admiração aos colaboradores.

Também, o gestor acaba por não ficar com excesso de trabalhos, pois não precisa estar presente o tempo inteiro para que as coisas possam acontecer.

2 – Entregas no prazo

Como o próprio time alinha as ações de acordo com cada função e expertise dos colaboradores, fica mais fácil de controlarem e realizarem alterações no cronograma quando necessário.

Assim, as questões são resolvidas rapidamente, todos trabalham de maneira colaborativa, os resultados são mantidos e as datas de entrega não sofrem alterações.

3 – Organização

O planejamento é feito de acordo com o direcionamento que o próprio time criou, com as ações, entregas e prazos discutidos e bem definidos para serem realizados.

Cada ação precisa ter o seu responsável e precisa ter a sua data definida, pois uma entrega vai depender da outra e por fim terão o resultado final dentro do prazo estabelecido.

-> Leia também: Planejamento tributário: o que é e como fazê-lo em sua empresa!

Quando a liderança liberal não é indicada?

Em alguns casos, ela não é a melhor opção para um gestor e sua equipe. Saiba em que situações isso ocorre:

  • Quando os colaboradores não possuem conhecimento e experiência para colocar em prática as atividades;
  • Situações em que os funcionários não desenvolvem bem as suas atividades sem uma presença de liderança no dia a dia;
  • No caso de profissionais que não conseguem definir prazos;
  • Quando os colaboradores enxergam a presença mínima do líder como uma possibilidade de reduzir o rendimento no trabalho;
  • Quando existe falta de familiaridade com os processos necessários para a realização de um projeto.

Como deve ter dado para perceber, são questões que podem ser trabalhadas, desde que previamente à implementação dessa liderança. Em suma, esse modelo é sim um trabalho importante e que rende bons frutos para a organização no geral, mas tem que ser feito com o devido planejamento.

É papel da corporação entender e fazer um bom aproveitamento do perfil dos seus profissionais. Bem como analisar quais serão os desafios, riscos e oportunidades que podem nascer a partir dessa migração de uma figura de poder centralizadora, convertendo-a para esse modelo liberal.

Então, gostou de conhecer um pouco mais sobre a liderança liberal? Você acha que ela pode ser uma boa opção para sua empresa? Conte-nos o que você acha nos comentários abaixo!

sobre o autor
Fábio Almeida é graduado em Tecnologia da Informação e Ciências Contábeis com mais de 10 anos de atuação como contador e empreendedor.


1 Comentário

  1. […] outro artigo, falamos sobre quando a liderança liberal não é indicada.Corra para conferir e entenda mais sobre. Continue acompanhando nosso blog e se tiver alguma […]

    Reply

deixe seu comentário :

* O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.